domingo, julho 05, 2015

domingo, junho 28, 2015

Mais achas para a fogueira: ainda os exames de Português 12º

Depois de ter demonstrado, no post anterior, que os examinadores interpretaram mal, mesmo muito mal, o poema de sophia que colocaram no exame (se o tivessem percebido, viam logo que era demasiado difícil para o efeito) partilho aqui um texto de Antônio Guerreiro que, no essencial, diz o mesmo, embora analisando-o sob uma perspetiva diferente.
O autor também lamenta é estranha que a Associação  de Professores (apenas refere uma das duas) não tenha notado nada disso.

Como é que o IAVE se mantém de pedra e cal, atravessando governos e partidos, apesar de estar demonstrado que é dominado pela pimbalhada? 
Ou talvez por isso mesmo.

Segue o link


As aventuras de Sophia na pátria dos examinadores


http://www.publico.pt/portugal/noticia/as-aventuras-de-sophia-na-patria-dos-examinadores-1699440


p.s. : Isto não significa que os alunos não tenham sabido responder as perguntas bacocas que fizeram, nem dar as respostas bacocas que o IAVE propôs. 

sábado, junho 20, 2015

Exame de Português 12º ano, 2015



Mais uma vez o disparate, a falta de rigor, a falta de bom senso.
E a falta do mais elementar sentido crítico de quem o deveria ter, agora já não de uma, mas de duas associações de professores de português.

A prova tem uma unidade temática, começa e continua com textos relativos à música e termina com uma composição sobre as sensações, desde auditivas (musicais) às visuais e olfativas. 

Isto é o que os professores, cristalizados num qualquer sistema otorrômbico, consideram como "muito giro".

O muito giro pode dizer várias coisas, mas quase sempre quer dizer falta de rigor e de sentido crítico, às vezes mesmo falta de qualquer sentido lógico...

A prova apresenta um poema de Sophia de Mello Breyner, já que corresponde a um qualquer aniversário da sua morte e isto é sempre assim previsível.

O poema (que abaixo se transcreve) intitula-se "Bach Segovia Guitarra", um título tão enigmático como outros da autora, para quem não conhecer o compositor Segóvia, que fez adaptações para guitarra de músicas clássicas, incluindo algumas de Bach. Ou seja, é um título enigmático para todos os alunos e para quase todos os professores. Esperamos que haja uma nota explicativa? Não há. Para quê a nota explicativa? De qualquer modo, pouca gente iria entender a relação do poema com o título.

A relação do poema com o título é a  seguinte: Sophia considera que a adaptação da música de Bach, muito abstrata e espiritual, a voz de Deus, ou dos deuses, se transforma em algo de mais humano, na sonoridade muito simples e básica de um instrumento tão popular como a guitarra. 
Ouvir esta música fá-la sentir (faz-nos sentir?) uma unidade, procurada porque às vezes perdida, entre o lado intelectual / espiritual e o aspeto carnal, sensitivo, mais físico, mais comum.

A prova de português, nos últimos anos, tem duas perguntas de interpretação incompreensíveis se irrespondíveis, que no caso são as duas perguntas sobre este poema. Uma delas fala da humanização da música. Mas qual música? E porquê humanização? A outra faz uma pergunta cuja resposta é a procura da unidade, temática comum no universo de Sophia, mas que não foi estudada.

Aqui vai o poema e também uma música de Bach adaptada e executada por Segovia.


"BACH SEGÓVIA GUITARRA"

"A música do ser
Povoa este deserto
Com sua guitarra
Ou com harpas de areia

Palavras silabadas
Vêm uma a uma
Na voz da guitarra

A música do ser
Interior ao silêncio
Cria seu próprio tempo
Que me dá morada

Palavras silabadas
Unidas uma a uma
Às paredes da casa

Por companheira tenho
A voz da guitarra

E no silêncio ouvinte
O canto me reúne
De muito longe venho
Pelo canto chamada

E agora de mim
Não me separa nada
Quando oiço cantar
A música do ser
Nostalgia ordenada
Num silêncio de areia
Que não foi pisada"















sexta-feira, junho 12, 2015

Professores! Aturai os nossos filhos que são insuportáveis ! Nós temosmais que fazer!

O Conselho de Escolas propõe que volte a haver em Portugal férias de outono, como acontece por toda a Europa.
A Confap, confederação de pais, protesta fortemente e propõe que os estudantes só tenham um mês de férias por ano.

Não os podeis aturar em casa? Como eu vos compreendo!
E nesse mês, porque não pode ser menos tempo, ide para casa da tia. Ou para campos de férias. 

Caros país e caros Confapes: educai os vossos filhos e  Ides ver como eles podem ser amorosos. E sossegados.
Mas Isso, como muitas outras coisas, depende dos pais. E das mães.


http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=4620941



E já agora... apresento cartono que vi na net


quarta-feira, junho 10, 2015

Novo livro, até agora inédito, de Pearl Buck





Há um novo livro da Pearl Buck. Não se sabia que existia porque o original tinha sido roubado... 

Muito inferior aos Sousa melhores, narra a história ficcional de rapaz sobredotado que veio a ser escritor. Muito banal nos pormenores da narrativa. 
Mas um "must" para os apreciadores da autora, claro.

segunda-feira, junho 08, 2015

Aventuras da Historia

Este livro, que se vende barato em vários sítios, romanceia o episódio real de um messias judeu que entusiasmou multidões, tendo estado em Portugal com D. João III.

Pretendia conquistar Jerusalém para cristãos e judeus, contra o Samorim, que a tinha em poder de muçulmanos. 




Portugal à Frente

Com uma mão à frente e outra atrás.

Já só com uma mão à frente... 

" Lá vamos, cantando e rindo
Levados, levados, sim."