sexta-feira, janeiro 30, 2015

Será por isto que querem desenterrar e voltar a enterrar o Eusébio?

Se já em vivo servia para tudo, imaginem depois de morto!

Comissão do BES: Salgado detalha dois encontros com Cavaco Silva e um com Paulo Portas


Ricardo Salgado escreveu hoje à comissão de inquérito ao BES, onde detalha todos os encontros que teve com personalidades políticas no início de 2014. O Observador teve acesso à missiva.


"Túmulos Caiados" como dizia Cristo, quando a religião não tinha o poder que tem hoje.

Vem esta metáfora, ou imagem, a propósito do beatério que é esta família Espírito Santo, a começar pelo nome e a acabar nesta reportagem que mete padres, missas, abraços na missa, etc.


"O padre Avelino Alves, 63 anos, reconhece que a frequência da missa, capaz de albergar uma centena de fiéis, se tornou "muito oscilatória". O ambiente, esse, é que mudou - e muito. "Há uma certa frieza", analisa o padre. "À porta, a falarmos depois da missa, já não é a mesma coisa. As pessoas estão encolhidas. Agora, os silêncios e os olhares falam mais do que as palavras."

Ler mais: http://visao.sapo.pt/a-vida-solitaria-de-ricardo-salgado=f808676#ixzz3QJtYcHIq"

"O padre admite que as homílias não são fáceis de fazer neste contexto, mas já teve a compensação de ver Ricardo Salgado a estender a mão a António Ricciardi, quando, numa missa, pediu aos fiéis que se saudassem na paz do Senhor."


Ler mais: http://visao.sapo.pt/a-vida-solitaria-de-ricardo-salgado=f808676#ixzz3QJtOr0ch



No artigo da revista Visão

A vida 'solitária' de Ricardo Salgado


Que gente tão católica! E tão santa!
QUE NOJO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

quarta-feira, janeiro 28, 2015

Filme: "Mr. Turner"







Adoro a pintura de Turner, quase toda vocacionada para o mar e para a navegação por mar, com tudo o que o mar nos pode trazer:  navegações tranquilas, batalhas tenebrosas, terríveis tempestades.

Fui ver o filme, com grande expectativa.

Mas...

Creio que vou gostar da próxima vez que o vir, ultrapassada já a deceção de ver a personagem principal, o pintor Turner, como criatura vulgar, quase grotesca, quase ridícula. Seria assim? Mas não era assim que eu o imaginava.

Ultrapassado esse grande handicap, poderemos ver uma tentativa de reconstituição da época, muito rigorosa, embora mantendo e reconstituindo as cores e os tons da pintura de Turner.

Quanto à biografia, escapam, pela positiva, dois ou três episódios: quando Turner manda que o amarrem ao mastro do navio para poder ver e sentir uma enorme tempestade, ficando depois muito doente, pois sofria dos brônquios, quando, pouco antes de morrer, sai de casa descalço e em trajes menores, para pintar uma rapariga que morreu afogada, quando diz as suas últimas palavras: "O Sol é Deus!".

Até aí, vemos um ser talvez superior num corpo feio e grotesco, com uma personalidade grosseira, a não ser no que diz respeito à arte. Trata as pessoas de forma grosseira, nomeadamente as mulheres, revelando grande insensibilidade, revelando uma sensualidade animalesca e desprovida de emoção e afeto, o que se traduz por pouco amor e pouco apreço que recebe. A não ser da parte da criada, que o ama, porque não está habituada a ser respeitada.

Entendi, talvez, assim: Turner mostra-nos o lado belo das coisas tenebrosas. O filme faz o oposto, mostra o lado feio do pintor. Muitíssimo feio. E chato. 

As paisagens e outras imagens do filme são bonitas e enquadradas nos tons da sua pintura, mas o filme evita algo de muito difícil: a relação com o mar. O mar é quase sempre visto à distância, falado, referido, mas nunca encenado, nunca encarado de frente.
E, no entanto, é esta a grandeza da sua arte: uma relação justa com o mar.


Se vale a pena ver? Sim. Com reservas.







O Homem Novo

Já estamos no ano 15 do século XXI, mas ainda parece tudo igual ao século passado, no que diz respeito à política e à organização mundial.
A esquerda não concorda com a direita, a Europa não concorda com os Estados Unidos, mas, sem qualquer estratégia alternativa, a esquerda segue a direita e a Europa segue os Estados Unidos. 
É assim vem o mundo, há já demasiado tempo.

Agora surgiram, pelo menos, dois exemplares do Homem Novo.

O Papa Francisco e Tsipras.

Homens que fazem a diferença só por si. Que nos introduzem num século finalmente moderno.

sexta-feira, janeiro 16, 2015

Papa Francisco, Eclesiastes e Marguerite Yourcenar

Papa Francisco diz que os cães também vão para o céu

A afirmação foi feita no Vaticano para consolar um rapaz que estava triste por o seu cão ter morrido


Ler, a propósito, O tempo, esse grande escultor, de Marguerite Yourcenar, capítulo: "Quem sabe se a alma dos bichos vai para baixo?". A autora invoca o capítulo da Bíblia "Eclesiastes".

"Papa Francisco durante sua pregação na praça São Pedro, confirmou que todos os animais vão para o céu. Tentando consolar um garoto com o coração partido pois seu cão de estimação tinha morrido, o pontífice fez uma confissão: " um dia, nós veremos nossos animais novamente na eternidade de Cristo. O paraíso está aberto para todas as criaturas de Deus." A fala do Papa foi aplaudida por diversos grupos de proteção animal presentes no momento. A fala do Papa contraria um dos dogmas da Igreja q dizia que os animais não iriam para o paraíso pois não teriam alma".


quarta-feira, janeiro 14, 2015

Nova edição do Charlie Hebdo já vale 570 dólares no Ebay. E ainda mal saiu.




A capa da nova revista, saída hoje, 14 de janeiro de 2014, apresenta Maomé a chorar, com pena das vítimas da revista Charlie Hebdo, que era pouco vendida e pouco lida antes dos atentados.

Nova edição do Charlie Hebdo tem sátira sexual, paródias de figuras religiosas e agradecimentos



Liberdade, ó liberdade...










Quem não é a favor da liberdade nem deveria ter publicado esta foto. Mas publicou e retirou todas as mulheres. 

Para contrapor, alguém retirou todos os homens, de forma humorística.

Foto da manifestação em Paris contra os atentados da revista Charlie Hebdo, a primeira acaba por mostrar o Sarkozy, antigo presidente francês acusado de corrupção, que esteve todo o tempo a tentar mostrar-se, pois ia na fila de trás.




sábado, janeiro 10, 2015

Patinir

Descobri a obra de Joachim Patinir na recente exposição da Goulbenkian sobre a história comum de Portugal e Espanha, que inclui objetos e retratos de pessoas que são comuns aos dois países (sobretudo os Filipes).

Fiquei deslumbrada com alguma peças: a escultura de  Isabel de Portugal, o relicário e a obra de Joachim Patinir, que aqui reproduzo.




Joachim Patinir (São Cristóvão com o menino - conjunto e pormenor)


Isabel de Portugal







Isabel de Portugal - esposa portuguesa do Imperador Carlos V


terça-feira, janeiro 06, 2015

Os três reis do Oriente. Feliz Dia de Reis!










Este mito dos Reis Magos apresenta representações muito curiosas.
Uma delas é a dormição: os Reis Magos dormiam quando tiveram um sonho que lhes revelou a sua missão: ir ter com o menino.

Algumas obras de arte representam-nos a dormir. E a sonhar. Dormindo.

Sendo as personagens mais improváveis do presépio, logo a seguir ao burro e à vaca que o anterior Papa retirou do dessa figuração, os Reis Magos foram objeto das mais variadas imagens.

Como as fotos em que dormem juntos, sendo abordados por um anjo, até àquela em que regressam por mar e de navio às suas terras, de onde vieram por camelo. 

Esta última faz parte de uma iluminura do Século XII. Não tive tempo para pesquisar as outras, que se encontram na net, facilmente.

E acrescento ainda este link para a explicação astronómica da Estrela do Presépio.


A celebração dos Reis Magos tem origem na Igreja do Oriente e explica como o mundo pagão, personificado por eles, se rendia perante Cristo.