domingo, Agosto 31, 2014

Pelo Rio Douro








 Chapéus há muitos. Feitos nos chineses, a 2 Euros e 50 cada dois. Rebuçados da Régua há muitos! Serão chineses?


 Porto Sandeman




Ui! Tão ao pé do abismo!?



Para definir em poucas palavras esta viagem pelo Douro diria:
Azul escuro, verde, azul claro. Ou mais exatamente: verde, verde ,verde.
Os esquimos têm dezenas de palavras para distinguir tons de branco, os durienses deveriam ter milhares de palavras para definir os muitos tons de verde. E já agora, umas dezenas para os tons de azul...
Estas fotos mostram uma viagem feita no navio Vale do Douro, da companhia.Rota do Douro. Foi tudo bom, correu tudo bem. Mesmo para a Nadinha, que tem algum sentido crítico. Um nadinha.

quarta-feira, Agosto 20, 2014

Erro ortográfico: pequena falha, sacrilégio, blasfémia, ou crime?

Temos tendência a considerar que a língua é sagrada, daí dizermos a língua de Camões, por exemplo, em vez de dizermos a língua de Bocage, de Gil Vicente ou do Quim Barreiros.

Daí os vários mitos existentes a respeito dos erros de ortografia, sobretudo dos próprios. E quase ignorando outro tipo de erros, como os de sintaxe, semântica, etc.

Vem a propósito dos erros dos professores, nos exames. Sim, há professores que não fazem nada, sim, há professores que não sabem nada, mas não é por darem erros que isso se comprova.

Se todos os dias caminhamos, se caminhar é fácil, também é verdade que às vezes caímos, porque nós enganamos a caminhar. Ou pelo menos tropeçamos ou batemos com o dedo grande numa pedra. 

Escrever é muitíssimo mais difícil, como seria possível não dar erros quem escreve muito? Para que servem os revisores das editoras e dos jornais e revistas, senão para corrigirem os erros dados, às vezes, por grandes escritores e grandes jornalistas? Se o erros é tão grave, por que razão se considera isto normal?

É vulgar ouvirmos alguém dizer que, ao terminar a quarta classe, já dava zero erros. Mas não é preciso ler algo que escrevam para constatar que ainda hoje dão inúmeros: 'subterrado debaixo de água', 'camufula', 'Sócras' em vez de Sócrates, etc...

Davam zero erros? Mas até mesmo esta expressão não é muito correta: é como dizer que comeram zero bolachas, zero pêssegos, zero batatas... E eram poucos os que davam 'zero erros'.

É caso para dizer que 'presunção e água-benta'...

O único país de leste com língua latina

- A Holanda?
- Quê? 
- A Suécia?

Bem, eu só perguntei ao taxista de que terra era, mas ele irritou-se muito e respondeu:
- Nao digo. Só digo que sou de Leste. Você nunca ouviu falar da minha terra! 
- Ouvi, de certeza!
- quando você andava na escola vocês só estudavam a geografia de Portugal, é o que todos dizem! E agora que o ensino é bom, os alunos não estudam nada e os professores não sabem nada. É bem feito que aquele exame aos professores...
- Letónia, Estónia, Lituânia, vê como sei?
- Vou só dar-lhe uma dica: é o único país de Leste que fala uma língua latina...
- Ah, então é fácil!
- Fácil? - vociferou, irritadíssimo.
- Claro, é a Romênia.

Ficou muito feliz. Era a primeira pessoa com quem falava que tinha ouvido falar do país dele. E tinha falado com muitas pessoas, incluindo professoras...

- Perguntei a uma professora: qual é o único país de Leste que fala uma língua latina?
- A Holanda?
- A Holanda?!
- A Suécia?
- O quê?
- A Turquia?o
- E vocé é professora? Como é que você pode ensinar alguma coisa aos seus alunos, se você não sabe nada?

Custou-me a crer nestas histórias, talvez tenha havido algum mal entendido 'lost in translation', esperemos que sim.  Então  na escola primária não se aprendia a geografia estrangeira e isso continua a ser desculpa? E durante o resto da vida, ninguém aprendeu nada? 

Será este o retrato de um país pimba, encantado com os programas de TV como Portugal em Festa, Aqui Portugal, Big Brothers e outros que tais?

Parecendo verdade, o homem de início muito antipático, ficou tão feliz, que começou logo a tratar-me por tu e, ao chegarmos à estação de Santa Apolonia, perguntou-me o dia e a hora a que regressaria, para me ir buscar no seu próprio automóvel. Não lhe disse, claro. Até já falava em casamento... 

- Tu assim não te casas mais! 

sábado, Agosto 16, 2014

BES SALGADO e CORTES SALARIAIS. Estranho? Só se for noutro país. Aqui é normal.

Portugal cada vez se afunda mais, apesar das notícias que afirmam que "está tudo bem, no melhor dos mundos possíveis"? A culpa é da função pública, claro. Por isso vão cortar os salários da função pública, mais uma vez. 

Agora também é do BES, mas antes também foi do BPN, do BPP e do regime. Mas quem paga é a função pública, os reformados e o povão.

Ricardo Salgado, estranhamente crucificado em público, já que era "o dono disto tudo" e não podia ser censurado em público (nem em privado), é estranhamente defendido por vários comentadores políticos. Você disse comentadores políticos? AHAHAHAHAHA!

Isso existe em Portugal? Ou o que existe são pessoas a comentar o seu caso pessoal e o caso dos seus parentes? E amigos da onça? 

Um desses "comentadores políticos (AHAHAHAHAHA!) é, como se vê aqui, Miguel Sousa Tavares, aquele que chamou palhaço ao Presidente da República. E que é parente do dito cujo Ricardo Salgado, Diretor do BES, como vemos 



O mesmo diretor do BES, Ricardo Salgado (Espírito Santo), afirma que vai defender a sua honra e a da sua família. E até cita o Papa Francisco, que tanto critica o capitalismo selvagem e o sbanqueiros corruptos. 


Curiosamente, para o fazer, acusa vários membros da sua família, como se vê 


Em que ficamos?

Ficamos em que o dito Ricardo Salgado, tal como o ex-primeiro ministro José Sócrates, não têm um tostão furado, digamos, não têm nem um cêntimo em lado nenhum. Nem numa conta bancária, nem em lado nenhum.

Estranho? Só se for noutro país. Aqui é normal.

VER também 

Ricardo Salgado, o último banqueiro?


E isto é para nem falar nas falcatruas normais: fuga de informação, fuga de segredo de justiça.

Até quando vamos aturar esta... digamos assim...

terça-feira, Agosto 12, 2014

Catedral de Nantes













Já neste blogue foi mencionada a Catedral de Chartres e uma viagem França, que incluiu um Castelo do Loire, O Château de Chambord, mas creio que não o mencionei aqui...

VER AQUI post sobre a catedral de Chartres

Catedral de Nantes 


A Duquesa Duquesa Ana de Bretanha mandou erigir um belo  túmulo para os seus pais, belíssimo, dentro da catedral. Surpreendente a escultura em que se vê uma mulher com um compasso, símbolo maçon, ou a justiça, com todo sós seus adereços, exceto os olhos tapados.
Claro, naquele tempo a justiça nem pretendi ater os olhos tapados e agora só finge. Pelo menos em Portugal. E em muitos outros países do globo.

Também se encontra neste espaço um cenotáfio digno de menção (última foto).

segunda-feira, Agosto 11, 2014

Sinal dos tempos: Óculos, oculistas, oftalmologistas, gente que rouba óculos e gente diferente. L O L



                            



Como vos contei neste blogue, roubaram me os óculos em Marselha. Recordo a expressão de pena e tristeza do rapaz que me serviu o almoço, o olhar agressivo e apontador para o lado do rapaz que me serviço café e o Pastis... Quando voltei para trás perguntar por eles. Até aí, a viagem correu um bocado mal, nem me lembro de outra assim, e recordo a minha aflição: que faço sem óculos?

Logo me lembrei que tinha metido na mala uns óculos dos chineses, ou dos trezentos, ou algo assim. Não custaram mais de 3 Euros (segunda foto). 

Estranhamente, nos 15 dias que se seguiram, não senti a falta dos óculos que uso há séculos e fartei-me de fazer posts neste blog, como viram.

Fui hoje à oftalmologista: não à minha, que está de férias, mas a outra, tendo respondido quando me perguntaram: uma qualquer, desde que seja urgente.

A senhora começou logo por perguntar:

- Da outra vez que cá veio, há três anos, foi porque partiu os óculos. E agora, porque foi? 
- Roubaram-mos.

Contei-lhe tudo e mostrei-lhe estes óculos todos esfolados que tenho usado, sem qualquer receio de os perder ou estragar.

Lá fizemos os exames todos. Eu estou morta por ser operada para deixar de usar óculos, mas parece que é melhor esperar uns anos, sempre é uma cirurgia... 

Por fim, a doutora aconselhou-me a comprar vários óculos na loja dos trezentos, ou nos chineses, preferencialmente numa farmácia ou num oculista, onde custam quinze euros. 

- Eu tenho uns na casa de banho, Outros no carro, outros na cozinha, uma vez comprei uns nos chineses aqui em frente e foi com eles que dei as consultas de oftalmologia, porque me tinha esquecido de trazer uns, mas não eram grande coisa...

E terminou assim:

- Se você os perde, os parte e se lhos roubam, não vale a pena comprar óculos caros. Mais vale ter vários e baratos.

Enfim, não aconselha os dos chineses. Mas analisou os meus e disse que tanto faz usar estes como os que receitou.

LOL! Morri a rir, mas não tem graça.


Até hoje, paguei entre 300 e 400 euros pelos óculos, sem aros de marca...

Passei num oculista, contei a história à senhora simpática, que me propôs logo uns aros da  Benneton e as lentes, tudo por cerca de 100 Euros. 

- Mas pode trazer uns aros velhos e só paga uns 30 Euros pelas lentes.

Aí sim? Já podiam ter dito que era tão barato... Nunca imaginei tal coisa!

PS.: Dia seguinte: acabo de comprar uns óculos bonitinhos que custaram um bocado porque é preciso diminuir a lente para a tornar mais leve (não custaram tanto como antigamente) e também comprei uns outros, idêntico e levíssimos e giros, por dois euros e cinquenta, numa loja dos chineses (primeira foto). E vou comprar uns bonitinhos por 15 Euros na FNAC. Em alguns sítios só existem óculos destes até 3 dioptrias, noutros sítios, incluindo chineses, existem mais.

Com isto e com as cirurgias que dispensam óculos, a coisa vai mudar. Já está a mudar, mas ainda mal se nota..

domingo, Agosto 10, 2014

Castelo de Nantes, ou Castelo dos Duques de Bretanha








Este Castelo dos Duques de Bretanha, tendo pertencido à Duquesa Ana de Bretanha (terceira foto), é muito bonito, assim como tudo o que se avista das suas muralhas.

Nantes


  


Um provérbio árabe diz que onde há água, há beleza.
Sem desejar ser demasiado original, eu diria que onde há muita água, sobretudo doce, há riqueza e com a riqueza encomenda-se a beleza.
É, pelo menos, o que acontece em Nantes e ao longo de todo o vale do Loire, onde se situam os conhecidos Châteaux, Castelod do Loire.
Em Nantes, como já disse, há vários rios afluentes do Loire e uma das atrações é constituída pelos barcos, "Péniches", que servem como habitação.
A fotos, tiradas da torre que se vê nas duas últimas imagens, mostram o Castelo de Nantes, muito bonito, a catedral e uma outra igreja.

É uma cidade onde eu nunca teria ido, se não fosse por razões especiais, mas tem muito para ver e vale muito a pena visitar.

quarta-feira, Agosto 06, 2014

Salinas de Guérande











Estas salinas de Guérande, muito antigas, iam desaparecer, pois os trabalhadores consideravam que era um trabalho de escravo com um ordenado de miséria.
Os herdeiros tiveram então uma ideia brilhante, que no seve inspirar: uniram-se na cooperativa chamada, como se vê na imagem, "Terre de Sel" , ou "Terra de Sal", modernizando o "produto"
É um sal marinho ecológico, considerado o melhor de França, o sal de Guérande, com flor de sal, sais de banho e etc., para além de ser ter tornado num local turístico, com percursos pedestres de cortar a respiração.
Fizeram também uma empresa apoiada pela UE, chamada "Univers Sel", como se fosse, em português Univer Sal. Com essa companhia, percorrem as salinas de todo o mundo, tentando modernizá las e rentabilizá-las da mesma maneira.

A beleza das salinas, que se vão tornando mais avermelhadas quando são mais salgadas, por efeito de uma alga vermelha, a qual também dá a cor aos flamingos cor de rosa, que a comem.